Justiça restaurativa e psicanálise: como se interpreta?