Núcleo de Investigação em Psicanálise e Saúde Mental

Coordenação: Andréa Guisoli Mendonça

Coordenação Adjunta: Rosângela Silveira

Horário: terças-feiras às 20h

Local: online

Inscrições: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Ementa

Do gozo devastador ao possível da clínica psicanalítica

Para Freud, aquilo que causa estranheza ao sujeito não obstante, já lhe é familiar. O sentimento do estranho é proveniente de onde o estranho coincide, justamente, com o mais íntimo e familiar, recalcado. No início de sua clínica, Freud já demonstrava, com suas pacientes histéricas e seus sintomas que o sujeito, ali experimentava em seu corpo algo da ordem do desconhecido (FREUD, 1919). Tais sintomas, inapreensíveis, careciam de uma simbolização e insistiam em retornar. Aqui podemos relacionar ao que Lacan dirá sobre o encontro do sujeito com a linguagem, o quanto esta experiência lhe é estranha e que tem como resultante o gozo, aquilo que, sendo inapreensível pelo sujeito, retorna a partir do real (LACAN, 1985).

Será o feminino, enquanto uma posição – para além da determinação biológica - a demonstrar o quanto este gozo pode ser devastador, pois encontra-se deslocalizado, ilimitado, já que não é todo submetido à lógica fálica (BASSOLS,2020). Na atualidade, os efeitos deste gozo desmedido são traduzidos por um imperativo: Goza!. Nossa civilização, sem referência a um significante mestre (S1), responde a este imperativo e seus efeitos são percebidos na variedade dos laços sociais. No campo da saúde mental, onde prevalece a prática dos protocolos, como operar a partir da referência da não existência do significante mestre? Nessa mesma direção, pergunta-se: quais as consequências para a clínica contemporânea marcada pela queda dos ideais e pela feminização do mundo? Como pensar o feminino na clínica das psicoses?

REFERÊNCIAS:

BASSOLS, M. Lo feminino más allá de los géneros. Disponível en: https://www.eitb.eus/es/radio/radioeuskadi/programas/vivirparaver/detalle/7037871/miquel-bassols-lo-femenino-generos ———–/Acesso em 27/06/2020.

MILLER, J. Alain. Uma partilha sexual In: Clique: Revista dos Institutos Brasileiros de Psicanálise de Campo Freudiano – O sexo e seus furos – n.1 (abr 2002) – Belo Horizonte: Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, 2003, p. 13-29.

FREUD, Sigmund. (1919). O Estranho. In: Edição Standart Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XVII, Rio de Janeiro:Imago Ed.1990.

FREUD, Sigmund. O infamiliar. [Das Unheimliche] Trad. Ernani Chaves, Pedro Heliodoro Tavares [O Homem da Areia; tradução Romero Freitas]. (Obras Incompletas de Sigmund Freud, 8) 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

 

AGOSTO: Dia 25 – terça às 20h

“Do gozo devastador ao possível da clínica psicanalítica”

Apresentação: Andréa Guisoli Mendonça e Rosângela Silveira

 

SETEMBRO: Dia 15 – terça às 20h

“O que há de estranho no gozo feminino?”

Apresentação: Graciella Bessa

Debatedora: Rosângela Silveira

  

OUTUBRO: Dia 27 – terça às 20h 

Cinema comentado: “A Garota Dinamarquesa” - Direção de Tom Hooper, com Eddie Redmayne e Alicia Vikander.

Comentários: Maria Helena Gonçalves Fonseca e Lílian Ramos V. Amaral

 

 

NOVEMBRO: Dia 17 – terça às 20h

“O feminino em Gide”

Apresentação: Cristina Drummond

Debatedora: Mércia Pimenta de Figueiredo 

 

DEZEMBRO: Dia 15 – terça às 20h

“Efeitos da feminização no mundo”

Apresentação: Simone Souto

Comentários: Jeannine Narciso